A fonte acrescentou que 10 pessoas ficaram feridas na cidade de Duma e cinco na localidade de Ain Tarma devido aos ataques dos aviões de guerra

Por Redação, com EFE – de Beirute:

Pelo menos 23 pessoas morreram nesta segunda-feira em decorrência de bombardeios sobre diferentes cidades da região de Ghouta Oriental, o principal bastião da oposição síria nos arredores de Damasco, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

A ONG detalhou em um comunicado que nove cidadãos morreram; em um ataque de caças não identificados em um mercado na cidade de Beit Saua; que deixou também mais de 28 feridos, entre eles crianças e mulheres.

Além disso, cinco civis morreram, entre eles o chefe da Defesa Civil na região; e outros 18 ficaram feridos por causa de outros 15 bombardeios; que tiveram como alvo a cidade de Arbin.

Na área de Haza, seis pessoas morreram, entre elas uma menina; e outras 13 ficaram feridas pelos ataques dos aviões de combate, que lançaram também projéteis contra a cidade de Hamuriya matando um cidadão e causando ferimentos em oito civis.

Bombardeios

Por último, o Observatório indicou que duas pessoas morreram, entre elas um menino, em dois bombardeios da aviação militar contra várias áreas da cidade de Zamalka.

A fonte acrescentou que 10 pessoas ficaram feridas na cidade de Duma e cinco na localidade de Ain Tarma devido aos ataques dos aviões de guerra.

O Observatório destacou que o número de mortos ainda pode aumentar, uma vez que muitos do total de 70 feridos se encontram em estado grave; enquanto outros sofreram lesões permanentes.

Ghouta Oriental é o principal feudo controlado por grupos armados opositores ao nordeste de Damasco e está cercada pelas tropas governamentais; que atacam a região quase que diariamente.

Homem armado com faca

Um homem armado com uma faca tentou nesta segunda-feira invadir a sede da Presidência iraniana, no centro de Teerã; e os agentes de segurança abriram fogo para impedi-lo, indicou a imprensa oficial.

O vice-governador de Teerã para Assuntos de Segurança, Mohsen Hamedani; explicou que os guardas tiveram que disparar contra o agressor porque ele se recusou a largar sua arma, segundo as fontes.

O sujeito, cuja identidade não foi revelada, foi ferido em uma perna, detido e levado ao hospital.

Hamedani detalhou que os guardas conseguiram evitar que o homem chegasse até a segunda porta de segurança da sede presidencial; onde fica localizado o escritório do governante, Hassan Rohani.

As autoridades investigam o detido para esclarecer as causas da ação; segundo o vice-governador.

Em junho de 2017, vários terroristas invadiram a sede do Parlamento iraniano, na qual ficaram escondidos durante várias horas; e no mausoléu do aitolá Khomeini em Teerã.

Esse duplo ataque, reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (EI); causou a morte de 18 pessoas e deixou mais de 50 feridas.

Bombardeios deixam civis mortos na Síria